• Supply Chain: por onde passa seu produto até chegar à casa de seu colaborador

    Aposto que você já ouviu muitos termos em inglês durante uma reunião de negócios, e as vezes algumas coisas podem passar despercebidas. Supply chain é sempre um jargão usado em reuniões, e nada mais é, em uma tradução literal, que cadeia de suprimentos – ou, mais comumente chamada no Brasil, cadeia logística. Logo, o supply chain se refere a tudo o que está relacionado ao processo logístico de um produto ou serviço.

    Vale começar falando do termo ‘logística’, de origem grega, e que significa ‘que diz respeito ao raciocínio’. Logo, estamos falando do planejamento da cadeia dedicada ao fluxo de matérias, produtos e serviços ao longo de um processo comercial.

    Este processo começa bem antes da fabricação do produto que sua empresa comercializa e vai, eventualmente, além da entrega ao seu cliente. Na verdade, há hoje setores da economia que devem pensar sua cadeia logística inclusive para o descarte do resíduo gerado. Mas falemos hoje do modelo clássico da cadeia de suprimentos.

    Em termos práticos, podemos utilizar a Casas Máxima como um exemplo. Hoje, ela conta com dois galpões para estoque, um em Contagem/MG e outro em Mairinque/SP. Assim, consegue maior agilidade em entregas para diversos estados do país. Do ponto de vista logístico, é uma empresa que está no segmento de estocagem, no meio da cadeia. Contudo, sua preocupação vai além do mero recebimento de mercadoria, empacotamento e entrega.

    Na Casas Máxima, o processo logística inicia no momento em que é feito o pedido de compras. Assim, a empresa já deve dedicar atenção à cadeia de suprimentos que, em tese, é de responsabilidade do fornecedor. Uma vez entregue a mercadoria, internamente procede-se com a estocagem do material e aguardam-se a emissão dos pedidos pelo departamento comercial. Finalizada a venda, emite-se um pedido de compras direcionado ao departamento de produção, que separa os produtos no estoque e monta uma cesta amostra. Uma vez inspecionada e aprovada, inicia-se a produção das cestas em larga escala. Mais uma conferência é feita, com objetivo de confirmar os produtos e quantidades de unidades, e então a cesta é despachada, por frota própria ou parceiros, até o cliente, dentro do modelo e entrega solicitada pelo cliente.

    E como pensar a logística estrategicamente, gerando benefícios práticos ao seu negócio? Simples, e de novo voltamos ao exemplo das Casas Máxima. A logística é feita por pessoas, assim como tudo em uma empresa. Contudo, é possível o ganho em agilidade através da automação de determinados processos operacionais. Por isso a Casas Máxima investe, regularmente, em tecnologia para a gestão adequada dessa informação. Desde o sistema de gestão de recebimentos, estoque e saída de produtos, a automação agrega ganho de tempo e redução em perdas. Melhor controle dos processos é fundamental para se aferir resultados consistentes. Outro recurso utilizado pela empresa é o aplicativo de gerenciamento de entregas, que confere confiança ao cliente pois permite o controle, em tempo real, das entregas na modalidade porta a porta.

    Pensou em logística eficiente, pensou em Casas Máxima. Não à toa ela é reconhecida, ano a ano, como a melhor empresa de cestas de alimentos do Brasil. Entre em contato e faça uma cotação.

    Comentários

    comentários